GAPE Anjos Secretos

 

ANJOS SECRETOS

“Dividir a dor e somar o amor”

 

O GAPE iniciou seus trabalhos em três de agosto de dois mil e dois, ofertando apoio e atendimento aos pais que passam pelo processo do luto, tendo como idealizadora Sra. Rosemari Rotta mãe de Luciana Duarte Rotta, com incentivo e acompanhamento da Psicóloga Ana Paula Reis da Costa. Atualmente é coordenado pelas Psicólogas Ana Paula Reis da Costa, Fabiana Corso e Manoela Michelli. 

O lema do grupo é “Dividir a dor e somar o amor”, lema que só poderia vir de quem sabe o imenso significado da diferença de um mais um, uma dor para cada ser em especial.

Em Caxias do Sul o GAPE leva o nome de “ANJOS SECRETOS”... Anjos que no ano de 2015 se multiplicaram com a criação de dois novos grupos “Anjos Libertos” em Anapólis-GO e “Anjos de Luz” em Flores da Cunha, idealizados por pais que por aqui passaram e hoje são multiplicadores deste apoio.
Em continuidade segue o texto que influenciou a criação do nome Anjos Secretos GAPE Caxias do Sul, escrito pela psicóloga e co-fundadora Ana Paula Reis da Costa da Luspe Instituto de Psicologia :

“Perambulando por essa vida de perdas e ganhos, de construção e reconstrução, encontrei um grupo de pessoas que muito tem me ensinado. Eles conhecem a realidade da vida. Como todo o ser humano pleno e capaz, são pessoas que se entristecem, se alegram, sentem revolta e compaixão; também limitam-se por vezes. No entanto, evoluem a cada novo amanhecer. São pais e mães cujos filhos não estão mais em nossa dimensão física.
Como multiplicadores esses casais têm sido cuidadores de si mesmos e de outros que, como eles, têm sentido em sua alma o dilacerar que a dor da perda de um filho pode causar. Tenho testemunhado essa dor, cuja a dimensão desconheço, e, admirada, observo o quanto o amor é verdadeiramente o principal recurso psíquico.
O amor é limpo da dor paulatinamente, dia após dia, e este amor retoma livre o seu caminho, invadindo com toda a sua força a vida e o viver. O vínculo, então, permanece, embora redimensionado. A morte não venceu. O amor segue, independentemente da distância. Descubro que o amor não precisa de reforço para seguir existindo, ele não se extingue.
O amor de cada um desses pais por seus filhos tem salvado pessoas do desespero e da angústia frente a novas perdas. Eles não sabem, mas são como ANJOS SECRETOS, andam por aí trazendo luz à escuridão, de modo tão intenso e simples que é impossível não crer na existência de Deus.
Com esses anjos lutadores, aprendi que nosso objetivo é manter a chama do amor acessa, independente de tempo e espaço. E esta lição jamais esquecerei.
Meu abraço afetuoso ao GAPE.”
Adaptação: Texto lido durante a missa na Igreja Santa Catarina das 18:00 horas do dia 05/12/15.
Texto na íntegra: via facebook

CARTA DE ACOLHIDA

O grupo conversando com você...

Aqui, se você quiser, poderá falar sobre o que está sentindo ... Sem medo, sem culpa ... Poderá chorar, silenciar e sorrir, será escutado e respeitado, porque está sendo recebido por pessoas que já viveram experiências similares à sua, e vão compreender o que você está sentindo ...

Neste lugar, todas as vozes têm ecos...

Nossa acolhida é livre de todo e qualquer preconceito, seja ele religioso ou político. Nossa linguagem é a linguagem do encontro, do coração, para a vida.

A ajuda mútua está para preservarmos nossas lembranças e afetos, reconstruindo um sentido para a vida e readquirindo segurança para viver. Compartilhamos histórias de vida com lágrimas e sorrisos, aprendendo a administrar nossas perdas em conjunto, valorizando o passado e seguindo em frente.

Todos buscamos formas de ser feliz, ainda que de outra maneira, por isso, neste espaço, o luto e a vida se entrelaçam naturalmente e tudo que você sente ao longo da caminhada é aceitação e liberdade para viver suas mudanças a seu modo.

Nos fortalecemos com a troca de experiências, no auxílio e na escuta que oferecemos e recebemos a cada encontro.

Sintam-se carinhosamente cuidados por nós.

Abraço afetuoso.

ANJOS SECRETOS

OBJETIVOS

Os encontros semanais se propõem a oferecer

APOIO
Participantes são autorizados e encorajados para contar suas experiências, descrevendo-as e compartilhando sentimentos, pensamentos, dúvidas, dores, frustrações e conquistas; melhorando as capacidades presente e posterior para administrar a perda.
ACOLHIMENTO
Participantes recebem escuta respeitosa, onde não há julgamentos, competições ou imposições. O ambiente do grupo oferece afeto, compreensão, liberdade de expressão e respeito as diferenças.
AMPARO
A convivência no grupo facilita a construção de novos laços de amizade, reduzindo a sensação de desamparo e isolamento social frente ao luto.
CONHECIMENTO
Participantes estudam e refletem sobre o processo de luto: O que é esperado viver, reações normais, formas de enfrentamento, recursos e instrumentos facilitadores... Desenvolvendo a percepção de que sua estabilidade emocional não é a questão, e sim, a possibilidade de guardar preciosas lembranças e reconstruir a força para viver.
EMPATIA
Participantes desenvolvem a percepção de que outros membros do grupo têm sentimentos similares aos seus, autorizando-se a vivenciar e falar destes sentimentos, adquirindo também a confiança de que será possível sobreviver e reinvestir na vida.
CRESCIMENTO
Participantes são encorajados a explorar e experimentar novas e efetivas habilidades de enfrentamento.
SEGURANÇA
É disponibilizado aos participantes que desejarem, o telefone dos membros do grupo, assessoria psicológica sob forma de orientação e aconselhamento durante os encontros, cuidados com relação ao sigilo, freqüência e participação livre.

"Neste grupo dividimos a dor e somamos o amor"

cropped-brabuleta.png
  (Gema B. Hoffmann - mãe de Rafael Hoffmann, um dos anjos do GAPE/LUSPE)

“... No começo minhas lágrimas eram azedas ...
Com o tempo e meus pensamentos, passaram a ser amargas, profunda e intensamente amargas, insuportáveis mas eu as senti ...
Depois ficaram salgadas como a água do mar ...
E hoje são doces como o azul do céu. E vem só de vez em quando.
Acho que é porque a minha alma hoje, é feita de amor.
Sabem, depois de tanto tempo, você aprende com a dor, a discernir o que é Morte do que é Filho Amado.”

 

cropped-brabuleta.png
(Antonio Fernando Coelho - Pai de André Boeira Coelho, um dos anjos do GAPE/LUSPE).

Imaginem o seguinte cenário:
Um terreno bem arborizado, com três hectares e meio de área, três residências, duas de empregados, uma do patrão. A do patrão fica em uma área dentro do terreno, cercada por muros de no mínimo dois metros de altura, as dos empregados não têm muros.
Há noites, nubladas, ou sem a iluminação natural da lua, em que não se enxerga literalmente, “um palmo adiante do nariz”.
É lá que eu trabalho com o auxílio de três cães pastores belgas malinois, e minhas lanternas.
Qual a minha atividade fim lá? Prover segurança!
Mas como fazer segurança, em um local em que a visibilidade à noite não é a ideal?
Simples, se utilizando dos meios existentes e da experiência adquirida nos anos de serviço na rua, como policial, ou como segurança.
Por incrível que pareça, meu instrumento de trabalho mais importante, não é minha arma, ou meu colete balístico; são os cães e minhas lanternas.
A lanterna me ilumina o caminho, os cães me dão a sensação de segurança necessária pra percorrer o caminho no terreno.
Certa ocasião fazia a ronda, sem usar a lanterna, quando os cães deram um “sinal” diferente, quase um choro, e pararam imediatamente, meu anjo da guarda me disse, “acende a lanterna”, o que fiz de “pronto”. Cerca de uns dois metros à minha frente, havia um enorme porco espinho, já de costas pra mim, e com os espinhos totalmente “eriçados”...
Se não fossem meus anjos (o da guarda e os cães), eu certamente teria no mínimo um grande incômodo, ao tropeçar naquele animal.
Os Anjos Secretos, são pra minha vida, como os cães e as lanternas são para o meu serviço, sem falar em meu anjo da guarda.
Estou lá, trabalhando, por opção, por conveniência, os que como eu estão na caminhada diária da perda, não!
Porém, a experiência dos Anjos Secretos mais antigos, juntamente com o auxílio e a orientação técnico/profissional das meninas da Luspe, iluminam o meu caminho, assim como me dão a sensação de segurança necessária, com seu amparo, apoio, conhecimento, experiência, presença e amor, pra percorrer esta estrada ingrata, da falta e da perda de um filho ou filha.
Quando narro no grupo, (e só quando narro, pois sem verbalizar o que passo, não há como os outros saberem) minha situação logo vem uma voz, de um dos anjos do grupo, me dizendo que passou por isso, e o que fez pra passar por isso, e em seguida, quando necessário, a orientação de uma profissional, no sentido de corrigir ou corroborar a orientação do anjo.
Quando minha lanterna está fraca, recarrego sua bateria.
Quando estou sem forças, muito triste e desanimado, recarrego minhas energias, no grupo, com a energia positiva dos anjos e das meninas da Luspe, que são tão “anjos” ou mais, que nós.
Resumindo, não posso fazer o que faço, sem meu anjo da guarda, sem os cães e minhas lanternas.
Assim como não posso, percorrer este caminho involuntário do luto, sem os Anjos Secretos, profissionais ou não.
E o apoio desta gente, é de extrema importância nesta caminhada, porém sem o “querer este apoio”, “sem o verbalizar”, sem a tomada de atitude pessoal, fica difícil, digo mais uma vez, fica difícil, porém, em razão da voluntariedade, em razão da cumplicidade, em razão da atitude de querer conscientemente “dividir a dor e somar o amor”, deste grupo de anjos, tudo é possível, inclusive o sorrir sem culpa, o redescobrir nossos amores, o sonhar com o futuro, o viver simplesmente.
E eu, e muitos outros, sabemos disto, e foi ali que aprendemos.
E somos muito gratos por isso, a todos os Anjos, sejam eles “da Guarda”, “da LUSPE” ou “Secretos”.

Caxias do Sul, RS, 17 de dezembro de 2017.

INFORMAÇÕES

  • Os encontros são gratuitos e reservados estritamente aos pais em situação de luto.  
  • Não há obrigatoriedade de frequência - a participação é livre.  
  • Pais podem trazer acompanhantes em seu primeiro encontro e se desejarem, poderão vir apenas para conhecer e escutar o grupo.  
  • Para outras informações, sinta-se livre para entrar em contato pelo nosso e-mail.
Os encontros acontecem semanalmente, nas quintas-feiras,
no horário das 19h as 21h.
 
 
Av. Júlio de Castilhos, 2845 - São Pelegrino
Caxias do Sul/RS
Contato:
 
Ana Reis
ana.reis@luspe.com.br
 
Fabiana Corso
fabiana.corso1@gmail.com
 
Manoela Michelli
manoelamichelli@gmail.com